A Motorola anunciou finalmente o Motorola One Hyper, marcando uma aposta muito fortalecida na gama média, com especificações inéditas na Motorola. A sua única concessão? Um fabrico em plástico que não será totalmente importante para os que sabem escolher um smartphone pelo que este dá em performance e em funcionalidades.

No que diz respeito à Motorola, o One Hyper é realmente um tremendo smartphone, reunindo a câmara mais potente num Motorola com uma unidade de 64MP, mas também o equipamento com a câmara selfie de maior resolução, especificamente 32MP. Mas este é também o primeiro Motorola com uma câmara pop-up, recurso que muitas marcas adotaram este ano, embora pareçam estar já a deixar para trás.

Em resultado disto, o Motorola One Hyper possui um ecrã amplo e sem interrupções, resultando em 6.5 polegadas sem distrações como notch ou perfurações.

Para garantir performance, a Motorola optou pelo Snapdragon 675, um chip bem enquadrado na gama média, que será aqui acompanhado por 4GB de RAM e 128GB de armazenamento interno. Naquilo que parece ser um bom equipamento para power users, a Motorola colocou igualmente uma bateria de 4000mAh com o novo carregamento Hyper Charging (suponho que agora sabemos de onde vem o nome), carregamento de 45W, o que significará uma autonomia muito interessante. Infelizmente, o carregador na caixa será de 15W, mas ainda assim é melhor do que nos oferece a Apple.

Como o ecrã é uma unidade LCD, o leitor biométrico foi colocado no painel traseiro onde possui um anel em seu torno, que se ilumina como uma vulgar luz de notificações. A Motorola não deixou de fora a tecnologia NFC ou o jack de áudio, e contamos com Dolby Audio a bordo, o que é sempre um bom sinal para quem quer ouvir música com detalhe adicional.

Último detalhe importante: o Motorola One Hyper contará com Android 10 de origem.

O Motorola One Hyper está disponível a partir de hoje por aproximadamente €400 nos EUA e Brasil.