OnePlus. Poucas marcas no mundo conseguem ter um seguimento de culto como a OnePlus. A marca Chinesa irmã da Vivo e da OPPO fez a sua fama e o seu nome criando dispositivos com características premium a preços capazes de os tornarem particularmente atraentes face aos principais equipamentos de gama alta. Mas esta postura sempre significou que os OnePlus nunca chegavam a ser verdadeiros flagships e lutaram sempre no patamar da excepcional relação preço/qualidade. Hoje, com o anúncio do OnePlus 6, a história muda e OnePlus é um flagship puro.

A história da OnePlus nos dois últimos anos, primou por ligeiros incrementos de seis em seis meses, pequenas mudanças entre cada meia geração dos seus equipamentos, por exemplo entre os OnePlus 3 e OnePlus 3T, entre o OnePlus 5 e o OnePlus 5T, ou algumas omissões premium. Mas talvez o maior problema dos OnePlus mais recentes tenha sido o design: não existe no mundo álcool que torne o OnePlus 5T menos derivativo e enfadonho.

Entra em cena o OnePlus 6 e o design é francamente estupendo. Há certamente um styling iPhone X sem se tornar uma imitação ridícula como muitos outros. É apenas um look geral, mas que diverge em pontos importantes, como a localização das câmaras duplas, e a presença de um leitor biométrico oval. Com um arredondar das laterais numa construção de metal e vidro, o OnePlus 6 é o mais elegante de anos recentes.

Hardware irrepreensível

Evidentemente, a estética é dominada pelo óbvio e polémico notch: sem sistemas de luz estruturada ou sensores avançados, o notch do OnePlus 6 é uma simples implementação que pretende maximizar a área activa do ecrã de 6.28 polegadas e rácio de aspecto 19:9, com resolução FHD+.

Claro que o que este ecrã esconde pode ser ainda mais importante: os OnePlus sempre forneceram ao utilizador uma performance de topo (se bem que com concessões ao nível estético) e agora não será diferente, considerando a presença do Snapdragon 845 com um máximo de 8GB de RAM e 256GB de armazenamento interno.

Câmaras melhores e um senão

À primeira vista, as câmaras do OnePLus 6 podem parecer pouco diferentes das do OnePlus 5T, mas na realidade são profundamente diferentes. Se as resoluções se mantêm com uma câmara principal de 16MP emparelhada com uma de 20MP, ambas com abertura de f/1.7, a câmara principal possui pixéis de maiores dimensões num sensor com mais área, o que autorizará uma qualidade superior nas fotografias.

No vídeo, o OnePlus 6 pode capturar vídeo 4K a 60fps graças ao Snapdragon 845, e não chega bem aos calcanhares dos Samsung Galaxy S9, Huawei P20 ou Sony Xperia XZ2 que podem gravar vídeos a 960fps. O OnePlus fica-se pelos 480fps a 720p.

Não poderia faltar o certo chavão e é-nos dito que a câmara frontal possui inteligência artificial para o modo de retrato, mas a grande novidade é o regresso da estabilização óptica de imagem, que terá um impacto substancial na nitidez das fotografias.

Subsiste, ainda assim, um senão: não se percebe bem neste momento o que acrescenta a câmara secundária que não parece ter qualquer feito no zoom possível.

A navegação por gestos e o software

O OnePlus 6 chega-nos com o OxygenOS baseado no Android 8.1 e actualização mais do que provável para o Android P, mas não teremos de esperar pelo próximo Android para termos navegação por gestos em vez da tradicional barra de navegação.

 

As peculiares omissões

A passagem para uma construção em vidro permitiu aos principais concorrentes da OnePlus oferecer equipamentos com carregamento wireless. Não é o caso do OnePlus 6, cuja bateria de 3300mAh pode ser carregada via Dash Charge que deverá ultrapassar os 50% em meia hora, mas não por via wireless.

Ponto de dúvida é ainda a certificação IP do OnePlus 6, que parece ser protegido contra salpicos e poeiras, mas não com um valor claro, quando muitos concorrentes são específicos.

São, enfim, pequenas omissões que mostram que o OnePlus 6 quer oferecer praticamente tudo, mas ainda procura pormenores por onde embaratecer o valor que pede ao mercado.

 

Preço tipicamente OnePlus

Já sabíamos que o preço do OnePlus 6 seria algo superior ao dos seus antecessores. É o que temos que aceitar para receber um design melhorado e um produto globalmente melhor.

Ainda assim, a o preço deverá rondar os €500, dependendo da versão. Por exemplo, a versão com 8GB de RAM e 256GB de armazenamento interno estará disponível apenas em preto matte por cerca de €600, enquanto uma versão especial Branco Seda terá um valor perto de €550 e uma única configuração 8GB/128GB. Globalmente, estes preços são excepcionais, para tantos argumentos.

Tudo ponderado, a OnePlus conseguiu aumentar os seus argumentos bem mais do que os preços.

1 COMENTÁRIO

  1. Concordo perfeitamente!
    Assisti ao lançamento deste 6, do 5 e 5T, e tenho o meu irmão com um ainda fantástico OP 3T. Ao ver este modelo com os outros, nada me surpreendeu. Parecia uma conferência em que o CEO estava mais à espera de aplausos do que outra coisa, sem mostrar grande destaque a funcionalidades. Vai mesmo contra o que ele diz que o que não importa é as especificações. Mas são mesmo elas que valem, porque por mais boas que sejam as optimizações e a inclusão de OIS, nada me surpreendeu sinceramente… Uma pena

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here