Não é fácil ser um smartphone com menos de 5 polegadas nos tempos que correm, mas a Palm regressou e não o quis fazer sem fazer justiça ao seu nome, com um pequeno smartphone feito para caber na palma da mão sem comprometer em funcionalidades. E o novo Palm é tão igual a si próprio que como outros grandes nomes do mundo (pensemos em Slash), não tem um segundo nome: é apenas um Palm.

Com 3.3 polegadas de ecrã, o Palm é um dispositivo que vai em contracorrente com a tendência actual de ecrãs cada vez maiores, mas um preço de perto de €300, este não será o vosso típico smartphone barato. Pelo contrário, estou surpreendido com o que a Palm conseguiu fazer nesta área. O exterior é em Gorilla Glass e alumínio, materiais típicos da gama média ou alta, e observamos que o Palm inclui uma câmara principal de 12MP com flash, enquanto a câmara frontal é de 8MP. Todo este corpo petite é selado com protecção de nível IP68 para proteger o equipamento contra a entrada de água e poeira.

Porque a área disponível é pequena, o Palm possui um Snapdragon 435. Seria de facto difícil neste momento incluir um processador muito mais poderoso com tão pouca área de dissipação de calor, mas com 3GB de RAM e 32GB de armazenamento interno, o Palm é um dispositivo muito digno. A bateria de 800mAh parece, ainda assim, muito reduzida para garantir uma utilização ao longo de um dia completo, como promete a Palm. No entanto, teremos que ver para crer.

Mas…

Há sempre um “mas”, certo? Ou não, mas desta vez há: o Palm será lançado pela Verizon nos EUA como um “companion”. É um conceito interessante, e significa que o seu objectivo é complementar o smartphone normal do utilizador, pelo que o Palm não estará disponível como smartphone independente, mas como smartphone secundário que partilhará o número de telefone do smartphone principal e o tarifário.

O racional por trás desta opção não me parece totalmente são, tendo em conta que o valor monetário pode ser algo excessivo para um equipamento de substituição.

O conceito não é sem mérito, no entanto. Em teoria, podemos levar connosco o Palm para locais onde não queiramos dar muito nas vistas, ou porque queremos evitar as tentações dos ecrãs maiores para uma utilização mais básica e essencial. O Palm oferece talvez o compromisso ideal para o tipo de pessoas que passa horas ao telefone e não precisa de um ecrã grande para isso: trabalhadores no terreno, por exemplo, que não queiram levar para lá o Galaxy ou o Huawei mais afins do espaço corporativo.

Se esse for o público alvo, não vejo muitos problemas em obter algum sucesso, mas ainda assim o preço me parece exagerado. Agora algo deve ser dito em defesa da Palm: não se limitaram a lançar mais um smartphone. Tentaram algo diferente, com um propósito. Boa ou má ideia, logo veremos, mas uma ideia pelo menos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here