Os Lenovo ThinkPad são uma imagem de marca da produtividade e dos portáteis profissionais, mas, associada a essa imagem de marca, estão corpos robustos e volumosos que se destacam por alguns dos melhores teclados do mercado. A experiência de escrita ThinkPad é algo que é bem conhecido entre os utilizadores da família. O Lenovo ThinkPad X1 Titanium Yoga nasce com a vontade de trazer a experiência ThinkPad para um segmento de peso ultraportátil que, com menos de 1Kg de peso é também o mais fino ThinkPad do mercado, sem para isso comprometer em especificações.

O formato Yoga apenas acrescenta ainda mais à maleabilidade de um dispositivo feito para todos e para tudo o que signifique andar com o portátil de um lado para o outro, seja em regimes de trabalho híbrido, seja em entretenimento.

Desenhado como uma bailarina, construído como um tanque

Há um aspeto no ThinkPad X1 Titanium imediatamente reconhecível. Se o nome não vos deu uma pista, este ThinkPad tem uma construção muito especial em titânio com fibra de vidro para a superfície e uma liga de alumínio e magnésio para a base. A textura é característica, com uma certa rugosidade excecionalmente resistente a manchas e tem o lettering gravado em alto relevo. A luz de suspensão está integrada no “i” de ThinkPad, tanto no ecrã, quanto na base. Que tal isto para “colocar os pontos nos i’s”?. É certamente um toque único.

O ThinkPad X1 Titanium Yoga é, depois, um Yoga. Portanto, oferece-nos um ecrã com posicionamento de 360º através de uma dobradiça dupla simples e limpa. A unidade é um todo com solidez palpável, nada propensa a distorções ou ruídos. Os movimentos são suaves e seguros, com o ecrã a manter a posição apesar de algumas vibrações. A vantagem desta construção é, obviamente, conseguirmos um portátil resistente, mas ao mesmo tempo muito leve e ágil, que torna mais fácil a sua utilização como tablet.

Vão notar, obviamente, que o Titanium é algo “profundo”, daí que o ecrã fique bem encostado à parte superior do ecrã, enquanto o trackpad é bastante alto. O motivo para este aspeto algo quadrado do Titanium deve-se ao ecrã ter proporções 3:2, algo inusuais, mas a tornarem-se cada vez mais normais, e sendo extremamente úteis para produtividade, de composição a programação. Claro que poderão preferir 16:9, mas os 3:2 têm o seu próprio espaço.

Nas linhas limpas do Titanium o chassis em si é bastante fino. Com 11.5mm de espessura, este é o mais fino ThinkPad da família, falhando ser o mais leve por algumas gramaas, já que com 1,15Kg está acima das pouco mais de 900g do X1 Nano.

Estas linhas compactas limitaram depois o número de portas disponíveis e temos apenas uma porta USB-A e duas portas USB-C, além da ranhura para o cartão SIM. Nem uma porta HDMI encontraremos aqui, uma omissão importante num equipamento pensado para utilização a nível empresarial onde os deuses nos livrem de existirem soluções de conectividade modernas. Pelo positivo, o X1 Titanium permite-nos conectar um total de três ecrãs, sendo o do próprio portátil e dois externos, para um máximo de produtividade.

A tecla power e a saída de áudio encontram-se na lateral direita e aqui a Lenovo poderia ter optado por colocar o botão on/off no topo do teclado, eventualmente integrada com o leitor biométrico, talvez poupando espaço suficiente para uma porta HDMI.

Um ecrã de ambições

O multimédia é um dos pontos onde o X1 Titanium Yoga mais ergue a sua fasquia. O portátil não quer fazer concessões quer à performance, quer à produtividade e ao entretenimento. Para este último, mobiliza um tremendo ecrã QHD de 2256 x 1504 pixéis. Com esta resolução, o ecrã oferece uma excelente relação detalhe/consumo energético, sendo mais do que suficiente para vermos um bom filme, sem comprometer excessivamente a autonomia como com um ecrã 4K.

Curiosamente, o ecrã tem proporção 3:2, um rácio muito pouco usual em convertíveis onde o 16:9 é muito mais comum. Como, acima de tudo, o X1 Titanium Yoga é monstro de produtividade, os 3:2 são fundamentalmente mais adequados para trabalho e apresentações e, em modo tablet, continuamos a ter essa vantagem para ver documentos em qualquer orientação.

Outra curiosidade do ecrã – para um portátil empresarial, pelo menos – é que oferece um acabamento brilhante, geralmente um grande sinal vermelho quando levamos o portátil para o escritório. Mas se olharmos com atenção para o ecrã, conseguimos perceber que o painel IPS propriamente dito está algo mais abaixo da superfície do que seria normal. Parece-me que o X1 Titanium inclui uma camada extra que visivelmente limita os reflexos e permite que a imagem se mantenha com um contraste acima da média sob luz direta, num escritório ou no exterior. É dos melhores comportamentos nesta envolvente que podemos encontrar num portátil.

O ecrã é complementado com altifalantes estéreo, claro, mas não são particularmente potentes, devido às dimensões muito reduzidas do chassis, enquanto os quatro microfones disponíveis prometem videoconferências sem problemas, embora neste ponto não tenha tido oportunidade de testar o ThinkPad.

Teclado e rato: a experiência ThinkPad (quase)

Céus, alguma vez voaram por um teclado? Alguma vez sentiram que o teclado tem fundamentalmente as medidas e especificações certas para o vosso estilo e escrita?

O ThinkPad X1 Titanium Yoga tem dos melhores teclados da sua classe. As teclas são as típicas da Lenovo, com ligeira forma em U e têm uma relação entre resistência e viagem que me parece perto de ótima, com uma atuação muito leve e um som muito seco e abafado que se torna muito discreto em locais silenciosos. Ajuda enormemente que o chassis de metal seja verdadeiramente sólido e o teclado não distorça. O chassis compacto significa que não temos uma distância de atuação tão ampla quanto num ThinkPad de tamanho normal, mas isso é algo com que se vive facilmente neste tipo de equipamentos extremamente slim. Se não forem capazes de o fazer, não devem sequer considerar um equipamento do género.

A atuação das teclas resultante é deliciosamente sólida e exata em qualquer ponto do teclado, mesmo ao centro onde alguns portáteis cedem mais, e então temos uma experiência de digitação muito confortável, sem oscilações, com movimentos muito precisos e raramente vamos falhar uma letra.

No geral, a Lenovo fez um excelente trabalho no teclado, oferecendo uma tecla Enter vertical e uma shift bastante ampla logo abaixo. Alguns poderão não gostar muito dos Pgup e Pgdn a enquadrarem a tecla da seta para cima, mas o meu maior problema é sempre a aposta em trocar as posições das CTRL e Fn. Até nos dão uma tecla CTRL ampla, e isto não será problema se usarem exclusivamente Lenovo, mas se por qualquer motivo que seja tiverem de passar por múltiplos teclados frequentemente, esta opção é problemática. Todos sabemos que a Lenovo está simplesmente a desafiar os deuses. Hyubris, é puro hyubris!

Mas esta troca de teclas é francamente algo que esperamos num ThinkPad e a Lenovo permite-nos trocar a ordem das teclas no gestor do teclado, portanto não é algo que tire o brilho a este teclado.

O teclado inclui ainda uma iluminação muito eficiente das teclas que aplica uma luminosidade mais azulada à fileira superior onde encontramos uma concentração muito importante de funções específicas para utilização corporativa, como controlos de vídeo e de chamada.

Como é tradição nos ThinkPad, temos um joystick e um mousepad relativamente amplo (profundo) com duas zonas de pressão na base, mas três teclas físicas no topo. Podem questionar se esta implementação é útil em portáteis compactos e eu respondo: é. É mais rápido apontar num local preciso, é mais confortável usar as teclas físicas quando precisamos realmente usar o rato. O trackpad tem o seu próprio painel de controlo, onde é possível ajustar a sensibilidade ao toque e aos gestos. Em troca, a superfície do trackpad é algo restrita.

Os Thinkpad têm uma fama a manter em termos da qualidade do teclado e o Titanium X1 Yoga está claramente à altura, sem ser claramente um ThinkPad tradicionalmente espesso.

Performance e experiência de utilização

O Lenovo Thinkpad X1 Titanium Yoga é um portátil eminentemente prático, com a sua leveza, robustez e dimensões compactas. Mas, por dentro, tem o hardware de um verdadeiro gladiador. O nosso exemplo de testes conta com o Intel Core i7 1160G7, um Tiger Lake U de 11ª geração que introduz o fabrico em 10nm e, com isso, apresenta uma grande melhoria na autonomia por comparação aos equipamentos de 10ª geração, não menos na capacidade gráfica da nova Intel Iris Xe.

Numa utilização quotidiana, o Titanium é perfeitamente capaz de voar através de uma folha de cálculo com fórmulas ao longo de várias dezenas de milhares de células e sheets, mostrando-se mais do que apto a fazer análise estatística e criação de dashboards em tempo útil. A sua gráfica Iris Xe é algo apta a encaixar alguns jogos menos exigentes, mas não é essa a sua vocação. Complementarmente, não temos realmente problemas com múltiplas janelas e aplicações abertas em simultâneo, mas o facto deste chip ser da família UP4 que tem uma TDP máxima de 15W significa que a performance é mais equilibrada do que pensada para bater recordes.

Os benchmarks confirmam isso, com uma pontuação no PCMark de 4311, que é bastante razoável, mas se o foco é na capacidade de processamento sustentada, podem procurar outras alternativas no portefólio da Lenovo. Parece-me que a Lenovo otimizou o Titanium para a utilização polivalente empresarial, não para a performance à custa de outros elementos. Há, no entanto, capacidade mais do que de sobra para trabalho pesado de escritório. O mesmo pode ser dito da Iris Xe a bordo, aqui na sua versão de 1100MHz, e capaz de encaixar o quotidiano multimédia, incluindo conteúdos UHD, mas não tanto jogos pesados. Nota-se efetivamente que os 4.4GHz máximos da CPU são mantidos por menos de meio minuto antes de descer para para menos de 3GHz para a maior parte do teste, enquanto a Iris Xe se mantém com uma performance constante.

Porquanto o chassis pareça ter pouco espaço para levar o processador à sua máxima performance durante mais tempo, a refrigeração é suficientemente boa para concentrar as temperaturas na porção superior junto ao ecrã, o que não coloca qualquer entrave à utilização do portátil no colo. A Lenovo parece ter optado por não comprometer o silêncio do portátil em troca de alguma performance extra e, como portátil empresarial que é, o X1 Titanium Yoga é de uma louvável discrição.

Um ponto certamente importante no ThinkPad X1 Titanium Yoga é a sua câmara que funciona par a par com a câmara de infravermelhos, não só para autenticação, mas também para segurança adicional. Esta câmara permite que o ThinkPad se bloqueie quando nos afastamos, protegendo a privacidade, para ligar o ecrã quando voltamos a sentar-nos em frente a ele. Se tivermos o reconhecimento facial ativado, tanto melhor que o portátil se desbloqueia num instante.

Autonomia aceitável (apenas)

Com o chassis tão pequeno, temos a bordo uma bateria de 44.5Whr, algo mais pequena que os 48Whr do X1 Nano. O carregador de 65W a bordo carrega a totalidade da bateria em menos e 3 horas e em menos e uma hora temos cerca de 50% carregados, o que é bom para uma emergência.

A Lenovo menciona até 8.9 horas de utilização, o que é absolutamente razoável. Para vermos vídeos e música, conseguimos certamente mais do que esse valor, mas na minha utilização quotidiana com a composição destes textos, navegação online e leitura de eBooks, pareceu-me que o valor de 8.9 horas seria otimista, o que me surpreendeu. Ainda estamos seguros para uma utilização normal ao longo de todo o dia, mas se o trabalho for algo mais intenso chegamos ao final do dia com pouco espaço de manobra.

Conclusão

É o mais fino dos ThinkPads, mas será só isso? De facto não: o Lenovo ThinkPad X1 Titanium Yoga é um impecável portátil empresarial premium, com segurança e funcionalidades de nível empresarial a que se junta uma performance muito satisfatória. A combinação entre portabilidade, performance, funcionalidade e durabilidade é impressionante. O Lenovo ThinkPad X1 Titanium Yoga é um portátil executivo feito à medida para os regimes de trabalho híbrido e a transformação para o mundo do work from anywhere.

Ao ser tão fino, não tem um teclado tão profundo e confortável quanto os ThinkPad de tamanho completo, o que pode deixar alguns de pé atrás, mas parece-me é que será dos melhores teclados no mercado para um portátil tão fino. Tremendo como é, o ThinkPad X1 Titanium Yoga tem contra si uma seleção limitada de portas físicas e um preço muito expressivo que alguns poderão digerir mal. Ainda assim, este é o tipo de portátil empresarial que mostra o caminho do futuro: polivalente, ultraleve, resistente. Em suma, disponível em qualquer lugar, para qualquer tarefa, uma frase que poucos equipamentos na sua classe de peso podem dizer.

REVIEW GERAL
Design & Construção
9
Hardware
8.3
Performance
8.5
Bateria
8
Experiência de utilização
9.3
Relação qualidade-preço
7.5
Fotografia, tecnologia, ciência: investigar escrever é uma paixão. Nas horas vagas, a caminho do trabalho ou de casa, cada minuto conta para descobrir e divulgar algo novo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here