Feito à mão, com um preço luxuoso e o tipo de especificações pelas quais um pobre nunca pagaria 1/5 do valor exigido pela marca: isto é a Vertu. Mas a Vertu também é alienações, falências e passagens de mãos até chegarmos ao dia de hoje em que a marca nascida da iniciativa da Nokia ressuscita com um novo smartphone após mais de um ano de espera, o Aster P.

Antes e acima de tudo, o Vertu Aster P é – como qualquer Vertu – um trabalho da mais fina craftsmanship Britânica, cada unidade feita à mão por um artesão específico que assina no final o dispositivo que saiu da sua perícia. São perto de €5000 pelo privilégio de terem um equipamento garantidamente construído com o tipo de empenho que garante escolioses, luxações e vista cansada, porque é preciso ser pobre para querer algo fabricado por robôs altamente tecnológicos, e este valor é apenas para a versão forreta, porque a versão em ouro já vai para os €14000. Trocos.

Trocos claro, para uma verdadeira peça de joalharia em titânio com acentuações douradas e revestimento em pele de crocodilo, enquanto o ecrã é revestido de vidro de safira de 133 quilates. O detalhe mais delicioso são mesmo as ranhuras para os cartões SIM em asa de gaivota ao estilo Lamborghini e aqui bato o punho na mesa com a minha afirmação de deliciosa futilidade de que todos os smartphones deveriam ter ranhuras em asa de gaivota. Deviam. Tenho dito!

Em termos de especificações, o Vertu Aster P chega equipado com um Snapdragon 660, 6GB de RAM e 128GB de armazenamento interno, valores que geralmente vemos em smartphones com preços que incluem menos um dígito, mas ainda assim interessantes. Juntam-se ainda uma câmara de 12MP e uma bateria de 3200mAh com Quick Charge 3.0.

Último toque de requinte e desmedida ostentação é o botão de rubi que permite aos utilizadores acederem aos serviços de um concierge 24 horas por dia, isto se não mencionarmos o acesso a festas exclusivas acessíveis apenas por convite. Eyes Wide Shut, alguém?

Mas, em última instância, o Vertu é mesmo uma peça de joalharia refinada e pensada para quem procura primeiro a arte, a forma, e depois a função e despreza a falta de estatuto de uma linha de montagem em série. Deste ponto de vista, o Vertu Aster P pode ser realmente apreciado pelo que é, e pela perícia daqueles que lhe apertaram os parafusos e refinaram os acabamentos com um nível de abnegação que não pode deixar de ser recompensado numa era de automatismos.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here