Se gosta de smartphones com um design elegante e uma sensação premium mas não quer gastar muito dinheiro, então talvez este Huawei Nova seja a escolha indicada para si. Este é um smartphone de gama média mas o seu design foi pensado para agradar aos utilizadores com gostos um pouco mais requintados no que diz respeito aos dispositivos com que andam. Claro que o preço não se mantém baixo por magia e, por isso, algumas das especificações de um topo de gama foram eliminadas e ficamos assim com um smartphone de gama média e com um preço mais baixo.

Contudo, nem todas as especificações foram sacrificadas para termos um bom preço e, por isso, o Huawei Nova apresenta-se com um design em alumínio, um leitor de impressões digitais, um ecrã de alta qualidade e a qualidade das suas câmaras também não desilude.

Falemos então do design deste smartphone. Tal como já tive oportunidade de referir, se gosta de uma sensação premium e elegante ao toque e à vista, este Huawei Nova é perfeito. Apesar de ter um corpo em alumínio, o facto de este ter uma boa ergonomia, dá-nos uma sensação de grande segurança, e é eliminado grande parte do risco de nos escorregar da mão. E atenção que no que toca a dispositivos que nos podem escorregar das mãos eu sou uma espécie de especialista com as minhas mãos de manteiga.

Este smartphone tem realmente um design bastante bonito e elegante, com o seu corpo em alumínio, um vidro curvo 2.5D à frente, molduras laterais reduzidas e com os seus cantos arredondados. De facto, a Huawei deixou-me rendida ao seu Nova. O nome “Nova” poderia sugerir algo novo neste smartphone e que isso poderia estar no seu design, mas no entanto isso acaba por não se verificar.

Se virarmos o smartphone, vemos que no topo do dispositivo, no local onde está a câmara traseira, se encontra um friso de plástico branca, que nos faz lembrar o design da traseira do Huawei 6P ou até mesmo do P9.

Huawei Nova - Leitor de Impressões Digitais

O leitor de impressões digitais circular encontra-se colocado na traseira do Nova, logo abaixo da câmara. Esta localização é perfeita para que não tenhamos de fazer uma grande ginástica para desbloquear o dispositivo. Este acaba por estar no local natural onde colocamos os nosso dedo ao pegarmos no smartphone. Por isso, se me perguntarem, esta localização acaba por ser um pouco mais prática e ergonómica do que se este leitor de impressões digitais estivesse numa lateral do smartphone, como podemos ver no caso de alguns dispositivos Sony, ou na frente do smartphone, como no caso dos iPhone e de dispositivos Samsung.

Com esta localização traseira do leitor de impressões digitais, a Huawei deixou então a parte da frente do seu Nova praticamente despida de pormenores, para além do microfone, da câmara frontal e do sensor de luminosidade. Mais uma vez, simples, minimalista e elegante.

Os restantes botões continuam presentes, e a Huawei escolheu colocar o botão de power logo abaixo dos botões de volume, botões estes que não se situam nem muito acima nem muito abaixo na lateral do smartphone. Mais uma vez, esta localização é perfeita para que não seja necessária uma grande ginástica durante uma chamada para ajustar o volume.

O Huawei Nova é de facto um smartphone compacto, mas engane-se se julga que para conseguir um preço mais baixo a marca teve de sacrificar o tamanho do ecrã. Este smartphone tem um ecrã LCD-IPS com precisamente 5 polegadas e com uma resolução de 1920 x 1080.

No ecrã as cores são bastante vívidas e brilhantes, os níveis de preto não deixam a desejar, o texto é bastante claro e as cores são reproduzidas com um grande contraste para que as imagens sejam realmente destacadas. A luminosidade máxima deste ecrã é bastante forte, o que faz com que usar o Nova no exterior não seja um problema. Apesar de não ser um problema no uso diário do smartphone, é necessário referir que os ângulos de visualização não são os melhores.

Como é óbvio, um smartphone não se faz apenas da sua aparência e design. Claro que a primeira impressão conta bastante e, no caso dos smartphones, o design é o que acaba por fazer a apresentação ao consumidor. No entanto, de nada serve um design elegante e premium se o seu uso não for do agrado do utilizador.

Huawei Nova - Frente

No caso do Huawei Nova, este traz a versão 6.0 Marshmallow do sistema operativo da Google, com a interface personalizada da Huawei, EMUI. Relativamente à interface não existem grandes novidades e, se o utilizador for uma grande defensor e apreciador do aspecto puro do sistema operativo Android, então talvez não vá gostar assim tanto da Emotion da Huawei. Tal como em todos os smartphones da marca, esta tem um aspecto muito semelhante à interface dos iPhones, com as aplicações todas localizadas nos home screens, deixando de existir o menú de aplicações habitual no Android. Por isso, o conselho é organizar as suas aplicações em pastas e evitar ter muitos homescreens.

Outras mudanças incluem uma barra de notificações divida em dois: de um lado temos as ditas notificações e do outro temos atalhos, como Wi-Fi, luminosidade do ecrã e bluetooth. Por aqui isto não foi novidade, uma vez que smartphones anteriores da Huawei já tinham estas funcionalidades. Também as habituais inúmeras aplicações pré-instaladas estão presentes, como a aplicação Booking.com, WPS Office, News Republic e alguns jogos. Felizmente tudo isto pode ser desinstalado se assim o desejarmos.

Uma funcionalidade bastante interessante já presente noutros smartphones Huawei e agora também no Nova, é o Gestor do Telefone que tem como função optimizar tarefas. Entre essas tarefas, podemos encontrar funções como a limpeza de ficheiros e o fecho de aplicações que estão a correr em segundo plano.

O teclado que vem instalado no Nova é o Swype da Huawei do qual sinceramente eu não sou grande fã. A barra de espaço é muito pequena e os pontos finais acabavam sempre por aparecer no meio das palavras em vez do espaço. Por isso, desculpa Huawei, mas continuo a preferir o teclado original da Google.

No geral, a rapidez do sistema é bastante aceitável, com transições fluidas e rápidas entre menus e aplicações. Bastante agradável de usar e abusar no dia a dia para quem não necessita de um smartphone que tem de estar à altura de um ritmo frenético e de alta produtividade.

Falando nas exigências diárias a que este smartphone terá de corresponder, uma parte muito importante para uma boa performance e satisfação dos utilizadores é a sua bateria. O Nova tem uma bateria de 3040 mAh e, devo dizer, que mesmo com um uso relativamente intensivo (uso de redes sociais, browser e uso de aplicações de trabalho que na grande maioria do tempo estavam a correr mesmo que fosse em segundo plano) a bateria do Nova aguentava à vontade um dia inteiro. Claro que o carregamento durante a noite era praticamente obrigatório, não porque ficava sem bateria mas porque se não o fizesse a meio do dia seguinte ficava sem telemóvel.

Contudo, a Huawei promete uma autonomia desta bateria de dois dias e se eu não fizesse um uso tão intenso do dispositivo, esta promessa da marca seria mesmo uma realidade. Uma particularidade que seria bom de encontrar neste Huawei Nova era o suporte para carregamento rápido. A porta USB Type-C está presente bem como o suporte para Fast Charging.

Outras especificações incluem um processador Snapdragon 625 da Qualcomm, 3GB de RAM e 32GB de armazenamento interno, expansível via cartão microSD. Estas especificações fazem com que este smartphone ainda seja uma excelente alternativa comparativamente ao existente no mercado, garantindo uma utilização fluida e um desempenho acima da média para uma utilização diária.

Hoje em dia, a escolha de um smartphone é feita não só com base na sua memória e na sua bateria. Estamos na era das redes sociais, das selfies e das partilha dos nossos pratos de comida. Para isso precisamos de uma câmara no nosso smartphone que esteja à altura daquilo que procuramos (apesar dos filtros ajudarem os fotógrafos menos aplicados). Por isso mesmo, na escolha de um smartphone as suas câmaras têm um papel muito importante.

O Huawei Nova traz consigo uma câmara traseira de 12MP com um flash LED e uma câmara frontal de 8MP. Fotografias tiradas durante o dia ficam espectaculares, com uma boa luz e boas cores. Contudo, em condições com pouca luminosidade o Nova já tem alguma dificuldade em apresentar-nos fotografias com boa qualidade, dado que estas ficam um pouco desfocadas e com falta de detalhes. Para além disso, o Huawei Nova não conta com estabilizador óptico de imagem e isso reflecte-se nos resultados das fotografias.

O menú da aplicação da câmara do Nova inclui alguns modos extra, sendo que entre eles está o modo HDR e um modo manual bastante aceitável.

Huawei-Nova---Screenshot-5

Já a câmara frontal do dispositivo, com 8MP, consegue fotografias bastante boas. Mesmo em condições com luminosidade mais fraca conseguimos fotografias com alguns detalhes.

Especificações de gama média que não desiludem e não fazem falsas promessas, bateria que promete uma autonomia de dois de utilização moderada e câmaras que lhe irão garantir alguns seguidores no seu Instagram. Se quer mesmo trocar o seu antigo smartphone por um novo com um design elegante mas não quer gastar muito, o Nova poderá ser a sua escolha.

Com um preço perto dos 400€, não é dos smartphones de gama média mais baratos que existem no mercado. Contudo, se o que pretende é um smartphone que não tenha de corresponder a um ritmo de utilização extremamente alto, mas não dispensa um look elegante e premium ao mesmo tempo que não quer gastar o mesmo que iria gastar no smartphone topo de gama, então o Nova deverá ser uma óptima escolha para si.

DEIXE UMA RESPOSTA