Após meses de rumores nesse sentido, foi hoje oficializado: a NVIDIA, gigante das GPU e inteligência artificial chegou a acordo com o Softbank para a aquisição da ARM, pilar fundamental do mundo mobile. O acordo valerá 40.000 milhões de Dólares, mas o seu impacto no mundo da tecnologia será maior do que este valor.

As arquiteturas ARM têm dominado o mundo dos smartphones e outros dispositivos móveis nos últimos anos, formando a base dos processadores de todas as marcas, desde MediaTek a Qualcomm, passando pela Apple e pelos HiSilicon da Huawei, entre outras. Tempos houve em que a Intel tentava dar cartas, mas o mobile e a ARM mostraram ser o casamento perfeito.

A NVIDIA não tem neste mundo uma presença de grande destaque, mas isso certamente mudará com a aquisição da ARM, mas não só a marca estará a ganhar terreno nos processadores e GPU mobile, como estará a criar um verdadeiro domínio na inteligência artificial, um ponto onde NVIDIA e ARM já possuíam amplos recursos e mestria.

Pensemos que se estima que, neste momento, mais de 70% da população mundial utilize produtos que dependem das tecnologias ARM. Se a própria NVIDIA é cliente ARM para os seus Tegra que se utilizam nas NVIDIA Shield ou Nintendo Switch, mas também nos automóveis, a mesma verdade se aplica à Apple e outras marcas, aos smartphones, tablets e IoT.

Alguns obstáculos ainda

Muitos poderiam ter medo deste negócio, já que a ARM Holdings foi sempre profundamente neutra nos seus negócios com todos os fabricantes, enquanto a NVIDIA tem interesses próprios de mercado. Preferia-se, por isso, uma aquisição por um consórcio que não afetasse a neutralidade da arquitetura, mas para já a NVIDIA garante que manterá as licenças que permitem a todas as restantes marcas criar processadores com base nas arquiteturas ARM. Não é que a NVIDIA seja uma santa, mas caso a ameaça de cancelamento destas licenças estivesse em cima da mesa, a compra poderia ser vetada para evitar um monopólio poderoso. Depois da compra, no entanto, poderá esta postura durar?

Esta questão do licenciamento é mesmo um ponto-chave da aquisição da ARM. Se a NVIDIA e o Softbank já chegaram a acordo, as autoridades de diversos países irão ainda avaliar se a compra não coloca em causa a livre concorrência e não admira, por isso, que a NVIDIA já tenha prometido aumentar o investimento R&D da ARM no Reino Unido, mantendo a sede da ARM em Cambridge.

Grandes possibilidades

No reverso da medalha, esta união tem certamente um enorme potencial. Do ponto de vista do mobile, podemos pensar que a mestria da NVIDIA em gráficos pode chegar aos smartphones em força, depois dos chips Tegra se terem desviado para outras praias, já que o mercado preferiu os chips integrados da Qualcomm.

E que tal um smartphone NVIDIA? As possibilidades são imensas, também por exclusão de partes: caso os concorrentes da NVIDIA se sintam ameaçados, poderão ter interesse em apostar em alternativas aos produtos da ARM.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here