A Oppo anunciou hoje a disponibilidade em Portugal dos Oppo Reno6 Pro e Oppo Reno6, ambos equipamentos 5G que oferecem design e especificações muito interessantes e têm todo o potencial para vendas muito destacadas. Para este artigo temos em mãos o mais ambicioso dos dois, o Oppo Reno6 Pro. Se este equipamento se insere nos limites mais altos da gama média, a verdade é que é preciso repensar o que esperamos receber na gama média. Pelas suas qualidades estilísticas e de hardware, o Oppo Reno6 Pro é quase indistinto de um topo de gama puro a mais do que tem argumentos para convencer quem quer performance de topo, graças ao seu Snapdragon 870.

O que temos no menu

  • Processador e memória: Qualcomm Snapdragon 870, 12GB RAM, 256GB de armazenamento interno
  • Display: AMOLED de 6.55″, FHD+, com HDR e 90Hz de taxa de atualização;
  • Fotografia: 50MP, 16MP ultragrande angular, 13MP zoom híbrido 5X, câmara macro de 2MP, câmara frontal de 32MP; sensor de temperatura de cor;
  • Conectividade: Wi-Fi 6, Bluetooth 5.2, NFC, A-GPS dual band, GLONASS/GALILEO/BDS/QZSS;
  • Bateria: 4,500 mAh com carregamento rápido de 65W SuperVOOC 2.0, compatível com Power Delivery;

Espelho, espelho meu…

Se o Oppo Reno6 Pro perguntasse a um espelho, se há neste mundo smartphone mais belo que eu, o espelho provavelmente ficaria a pensar no Oppo Reno5 Pro. O salto geracional entre os dois Reno fez-se de pequenos ajustes no design, mas sem perder os traços gerais que faziam do Reno5 um smartphone muito atraente.

O Reno6 Pro remodela o módulo fotográfico, agora mais largo e retilíneo. Na verdade, mais “arrojado”, e reposicionando alguns elementos. No restante, o Oppo Reno6 Pro tem as dimensões praticamente exatas do seu antecessor, com perto de 1mm extra em altura e o restante a manter-se. Tal como anteriormente, o Oppo Reno6 Pro tem o tipo de acabamento que podemos esperar encontrar num telemóvel de €1000, com peças bem rematadas e bons encaixes.

A construção é uma sanduiche de vidro sobre moldura de metal, sendo o vidro traseiro tratado com o processo Reno Glow, que lhe confere uma superfície fosca e muito agradável ao toque, onde as cores variam conforme o ângulo de incidência da luz e que, acima de tudo, é muito menos propensa à sujidade do manuseio quotidiano. Com os materiais que hoje em dia se usam, poderíamos ficar na dúvida, mas esta face traseira é efetivamente vidro e não se flete ou afunda com pressão.

O Oppo Reno6 Pro é, ao mesmo tempo muito confortável de manusear, graças à curvatura bilateral tanto do painel traseiro quanto do ecrã. A Oppo, no fundo, sabe que quem vai a uma loja quer tocar e manusear os smartphones. No Reno6 Pro, a Oppo mostra saber isso, criando um terminal muito elegante que fica bonito de qualquer ângulo e não tem qualquer

Olhem-me para este hardware

OK, melhor decisão da Oppo: saltar o Reno6 Pro e trazer para Portugal o Reno6 Pro+, a versão que foi lançada na China e não chegou a todos os mercados mundiais. Embora, visualmente, Reno6 Pro e Reno6 Pro+ possam ser indistintos, a versão Plus substituiu com grande vantagem alguns dos componentes do Pro por outros… melhores.

Definitivamente melhores. Por exemplo, o MediaTek Dimensity 1200, um excelente processador (diga-se de passagem), é substituído pelo significativamente mais potente Snapdragon 870, um chip moderno, baseado no Snapdragon 865+ que se coloca logo abaixo do Snapdragon 888, ao ponto da sua performance ser virtualmente indistinta a olho nu. Uma passagem rápida pelo Super Mecha Champions, Genshin Impact e Gear Club deu mais do que indicações do que este processador é capaz de fazer em termos de nos mostrar os melhores gráficos possíveis neste ecrã estupendo.

Bom, é estranho – dizem-me – que em 2021 a Oppo lance este smartphone com um ecrã de 90Hz, quando no mercado não faltam equipamentos de 120Hz. Parece que a marca optou por manter o mesmo ecrã AMOLED FHD do Reno5 Pro+, o que explica os 90Hz. Fora esse detalhe, não temos por onde nos queixar. O ecrã exibe cores impecáveis e tem certificação Netflix e Amazon para streaming de conteúdos em HDR, sempre um detalhe importante.

É realmente um bom ecrã, não importa por onde se lhe peguem. Quando entramos no Gear Glub e nos fazemos à estrada com um Camaro, o motor ruge com os altifalantes estéreo, enquanto no SMC os gráficos são fluídos apesar do peso do mundo aberto e das animações, mas o melhor são mesmo estas duas colunas Dolby Atmos, com um som muito tridimensional que nos permite saber corretamente de onde vem uma ameaça. O som reverbera através do painel traseiro e é interessantemente detalhado, enquanto os sensores funcionam maravilhosamente, respondendo a movimentos do mais leve possível.

O modo de jogos permite-me depois bloquear notificações e fazer outros ajustes, como alterar a sensibilidade do toque. Ajuda bastante a não termos uma partida estragada por uma notificação sem importância.

Outro ponto de melhoria é definitivamente no departamento das câmaras. Este é, no Pro, um dos elementos que nos mostra que estamos perante um terminal de gama média. No caso do Reno6 Pro+, a sua substituição pelo excecional Sony IMX766 é um garante de melhor qualidade fotográfica em qualquer condição. O restante departamento, que inclui uma ultragrande angular de 16MP e uma zoom de 13MP, além de uma macro, é – também ele – idêntico ao do Reno5 Pro+.

Mas, o que valem estas câmaras? Bom, a app é o primeiro ponto de interesse num smartphone vocacionado para uma boa experiência fotográfica, e o Opo Reno6 Pro traz-nos a app bem desenvolvida da Oppo. É rápida, intuitiva, e tem inúmeras opções de captura, incluindo modo noite e retrato, claro, mas é noutros detalhes que mais se destaca. Há um modo Pro com amplas definições e também um modo equivalente para vídeo, para os que gostarem de maior controlo sobre o resultado. No geral, a aplicação é rápida e fluída, mesmo quando optamos por capturar imagens HDR ou a 50MP.

As cores são geralmente boas, e os detalhes louváveis. O recorte nas zonas de elevado contraste é um problema em muitos smartphones, mas a Oppo parece ter conseguido controlar as franjas púrpuras nos recortes da vegetação. Entre a ultragrande angular e a câmara principal, há alguma variação de interpretação da temperatura de cor, com a ultragrande angular a abrir mais os céus, mas não é realmente uma diferença grande. Os céus, de resto, mostram a gama dinâmica do Oppo, com um HDR para já discreto e sem exageros.

Veremos que mais a câmara tem a dar no futuro.

Carregar durante a noite? Que tal quando quiseres?

O tema da comunalidade com o Reno5 Pro+ é transversal ao Reno6 Pro, já que também a bateria é em comum, oferecendo 4500mAh e carregamento rápido SuperVOOC 2.0 de 65W, o que permite carregar a totalidade da bateria em cerca de 35 minutos.

Carregar o smartphone durante a noite é um hábito adquirido, mas quem nunca acordou para perceber que não tinha carregado de todo o telemóvel? Com um carregamento de 25W é certo que saem de casa com metade da bateria, mas com o SuperVOOC 2.0 de 65W o telemóvel estará carregado antes de sequer acabarem o pequeno-almoço. Há uma mudança muito importante aqui: carreguem o telemóvel quando tiver que ser, não quando puderem abdicar dele durante algumas horas.

Não é demais realçar: usem apenas produtos compatíveis. Estes carregamentos têm amplas medidas de proteção e requerem materiais de qualidade, não cabos rascas.

Expetativas

Renovar um soberbo smartphone em menos de meio ano não é difícil. A Oppo concentrou-se em manter o que já era excelente e melhorou tudo o resto. Quer dizer: seria preciso substituir o IMX766? Nenhum chip o superou para já, então qualquer outra coisa teria sido um erro. Seria preciso substituir a bateria e o carregamento de 65W? São especificações de gama alta hoje em dia.

A grande novidade é em absoluto a chegada do Snapdragon 870, um processador que tem surpreendido e se tem tornado um dos mais requisitados no segmento abaixo dos €900. Se têm um Reno4, posso dizer que vão notar uma melhoria inquestionável e vão notá-la mesmo a partir de um Reno5. De minha parte, fico extremamente contente por a Oppo ter decidido colocar no mercado nacional a versão com Snapdragon 870, em vez do Dimensity 1200 de muitos mercados. Sem desrespeito à MediaTek (que, repito, está em excelente forma), mas o 870 está noutro nível. Todavia, por fora, antes de sequer entrarmos nas suas entranhas competitivas, o Oppo Reno6 Pro é um smartphone muito atraente que não nos deixa indiferentes.

Não se esqueçam que, até ao final do mês de Setembro a Oppo oferece-vos auriculares Oppo Enco X (dos melhores no mercado) e uma Band Style, uma oferta cujo valor total é de perto de €200.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here