Estás à procura de emprego nas tecnologias de informação? O mercado tecnológico tem crescido exponencialmente nos últimos anos, mas também a concorrência. Entretanto, a pandemia COVID-19 alterou profundamente as dinâmicas de trabalho e procura por talentos, com trabalho e entrevistas à distância. A Mind Source, especialista em Tecnologias de Informação e Processos de Negócio dá os conselhos para os profissionais que querem ficar no radar.

Apresentação, preparação e CV atualizado: embora o ambiente no setor das TI seja quase sempre descontraído, numa entrevista de emprego o entrevistado deve evitar estar mais informal que o entrevistador. É naturalmente fundamental que o candidato tenha o CV correto atualizado e de acordo com aquilo que será o seu discurso durante a entrevista. Um CV desatualizado gera dúvidas e desconforto. A preparação assume um papel essencial para uma entrevista bem-sucedida. Se por um lado não é muito difícil ter uma ideia muito aproximada do que vai ser questionado numa entrevista, existem amiúde situações em que os candidatos parecem surpreendidos com questões óbvias em contexto de entrevista. Estude a empresa – quantos colaboradores tem? Qual a sua presença nacional / internacional? Quais os setores em que atua? Quais os serviços e áreas de negócio? – e coloque questões durante a entrevista, demonstrando interesse e capacidade de envolvimento com os objetivos e missão da empresa e das suas equipas.

Postura, humildade e honestidade: seguindo os princípios da primeira dica, reforce uma postura desinibida e proativa, demonstrando uma abordagem dinâmica, interessada, natural e empática. Esteja à vontade, mas não em demasia. Encostar-se para trás na cadeira? Demasiado. Mas cumprimentar o entrevistador de acordo com a abertura por ele revelada (aperto de mão ou beijinho) gera empatia e descontração. Seja humilde, e tenha em conta que pode não haver respostas certas, mas há respostas erradas. A entrevista é uma interação muito rápida entre pessoas que não se conhecem, todas as coisas que possam criar quebra de confiança devem ser evitadas.

Comunicação envolvente: desenvolva as suas respostas. Responder com um simples “sim” ou “não” sem justificar a sua opinião promove desinteresse e distanciamento. Utilize linguagem adequada, evitando o calão, e recorra a um discurso polido, orientado e assertivo, recorrendo a termos vulgarmente utilizados no meio – ainda que sejam estrangeirismos ou jargão mais técnico. Tenha sempre presente no seu discurso quais os seus projetos, as tecnologias onde está à vontade e as metodologias.

Gira bem o tempo: a gestão do tempo fica a maior parte das vezes a cargo do entrevistador, mas isso não quer dizer que o candidato não tenha uma palavra a dizer neste campo. Certifique-se de que está pronto pelo menos 10 minutos antes da entrevista. Durante a mesma, organize as ideias e as respostas de forma a priorizar o mais importante: dê a conhecer o seu percurso profissional e a sua experiência, sem se alongar em demasia. Deixe que o entrevistador guie o processo, mas encontre formas de mostrar as mais-valias que a sua contratação traria à empresa e às equipas. Foque-se nos aspetos-chave do seu percurso profissional e apresente um discurso assertivo…

Tenha um plano: …o que nos leva até à última dica. Demonstre a capacidade de trazer valor acrescentado e a capacidade de adaptação a diferentes contextos. Revele a sua ambição e dê a entender as suas perspectivas de futuro. Mostre onde pretende chegar, o que gostaria de aprender e desenvolver na empresa. Esteja preparado para questões estratégias que o envolvem diretamente como a missão e objetivos da empresa, como seja a pergunta sobre o seu percurso. “Onde se vê daqui a cinco anos?” é uma questão simples e clara, que impõe uma resposta já preparada e com um discurso organizado e assertivo.

Experiência é mais-valia: destaque a sua experiência e aprendizagem no setor das Tecnologias de Informação e Comunicação, lembrando-se de que esta área está em constante mutação. Como tal, deve ter em conta a constante necessidade de reciclagem de conhecimento. Esta proatividade e capacidade de angariação de novos conhecimentos é essencial para um consultor de TI. Como argumento complementar, leve consigo o portefólio de projetos realizados, caso os anteriores clientes o permitam. Mostrar trabalho e experiência não é vaidade, é mais-valia!

Rui Reis, Diretor Executivo da Mind Source, explica que “a entrevista é quase sempre o primeiro contacto pessoal entre o candidato e o responsável pela política de contratação da empresa, pelo que não deve ser encarada com ligeireza ou demasiada descontração. Numa altura em que o cenário de COVID impõe novos desafios também na aquisição e retenção de talento no setor das TI, assegurar uma boa preparação para uma entrevista de emprego é um passo particularmente importante para garantir maiores hipóteses de sucesso. A Mind Source tem uma política de contratação ambiciosa e muita experiência neste campo. Esperamos que estas dicas possam ajudar os profissionais do setor que queiram trabalhar connosco ou com outras empresas de TI em Portugal.”

A Mind Source reforçou a política de contratação através de ferramentas digitais, e prevê aumentar a sua equipa em tempo de pandemia. Ao longo dos últimos cinco anos, a empresa tem apresentado um crescimento anual médio de 18 por cento no que respeita ao número de colaboradores. Só em 2019, a Mind Source contratou 30 novos colaboradores para as áreas de development (60%), Business Analytics consultants, Business Intelligence e Data Scientists (30%) e Project managers e SCRUM Masters (10%). A empresa contava no final do último ano fiscal com 205 colaboradores e com uma idade média de 37 anos.

A Mind Source foi recentemente distinguida pelo 10º ano consecutivo como uma das Melhores Empresas Portuguesas para Trabalhar em Portugal, pela entidade Great Place to Work®, a autoridade global para a construção, sustentação e reconhecimento de culturas dos lugares de trabalho de alta confiança e elevado desempenho.

Sobre a Mind Source: http://www.mindsource.pt/

Considerada um Great Place to Work há dez anos consecutivos, a Mind Source tem mais de 10 anos de experiência em projetos de Consultoria de Tecnologias de Informação e Processos de Negócio. Conta com um vasto portfólio de clientes composto pelos principais players do mercado dos diversos setores: Banca, Seguros, Telecomunicações, Serviços, entre outros. Na mais recente edição do ranking Great Place to Work realizado pelo instituto com nome homónimo, a Mind Source foi distinguida como a 1ª Melhor Empresa Portuguesa para Trabalhar em Portugal na categoria 100 a 500 colaboradores.

Para mais informações, consulte o site da Mind Source ou siga-a nas redes sociais Facebook, LinkedIn, Twitter e YouTube.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here