A Intel teve sem dúvida um dia em grande na Computex de Taipei com o anúncio de um novo chip de 28 núcleos (prontamente ultrapassado pelo novo AMD Ryzen Threadripper de 32 núcleos), mas um dos seus anúncios mais discretos tem potencialmente mais impacto na guerra pelos ultraportáteis com a ARM: painéis para ecrãs com 1 watt de consumo.

A Qualcomm anunciou praticamente ao mesmo tempo o Snapdragon 850, uma versão overclocked do 845, pensada para optimizar a autonomia de computadores portáteis. No entanto, mesmo com inúmeras optimizações, os pequenos SoC da Qualcomm estão muito longe de conseguirem a optimização e capacidade dos Intel Core quando se trate de correr o Windows 10 e apps associadas.

O caminho da Intel, em conjunto com a Sharp e a Innolux, foi procurar outros componentes onde o consumo energético pudesse ser amplamente melhorado e encontrou o óbvio: os painéis dos ecrãs. Sabemos bem que em condições normais, aquelas em que o processador é solicitado de modo regular sem verdadeiramente puxarmos por ele, é o ecrã o principal motivo de drenagem da bateria. Isto é tão verdade num computador portátil, quanto num smartphone e torna-se ainda mais crucial quando as resoluções sobem e criam a necessidade de mais energia para alimentar pixéis mais pequenos.

Aquilo que é para já conhecido como Intel Low Power Display Technology, ou Tecnologia de ecrãs de baixo consumo da Intel, é ainda misterioso, já que a Intel não detalhou pormenores específicos. No entanto, a promessa é que estes painéis consumirão apenas 1 watt, com o que Intel, Sharp e Innolux estão em posição de prometer portáteis com 20 horas de autonomia sem terem de sacrificar a capacidade de processamento com a utilização de chips ARM.

O caminho pode ser extremamente atraente para quem precisa mesmo de chips com capacidades mais amplas, e a Intel indica que os novos painéis não comprometem em termos de qualidade de visualização. Ou seja, são tudo bom e nada mau, uma promessa sempre difícil de cumprir, mas que veremos em cima da mesa ainda este ano, já que os primeiros portáteis com a tecnologia estarão no mercado em 2018.

Sendo a Sharp um dos grandes fabricantes de ecrãs para smartphones, é possível que a tecnologia faça o seu caminho para os smartphones, oferecendo aos utilizadores autonomia extra numa altura em que as baterias teimam em não aumentar a sua capacidade.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here